quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Aristóteles


"Ajusta os teus desejos aos teus meios presentes, aumenta-os apenas quando os teus meios assim o permitirem"- Aristóteles

Nesta frase está um conteúdo contrário à nossa natureza enquanto seres humanos, desejar apenas aquilo que se encontra dentro das nossas possibilidades de realização? Onde é que já se viu?.

Entendo que com esta frase o mestre filósofo apenas visava transmitir um conselho sábio cujo fim se materializava no afastamento da angústia que o desejo pelo irrealizável inevitavelmente se transforma. Como tal, é um conselho sábio e a seguir, no entanto....sejamos práticos! Eu pessoalmente não controlo os meus desejos...e vocês?

Assim, parece-me uma vez mais, um bom exemplo de um bom conselho a não seguir, sob pena de nos considerarmos inferiores a quem o deu.

Eu pessoalmente não me considero inferior a ninguém, nem considero que as minhas fraquezas me façam inferior, pois nada há de inferior na minha humanidade.

Assim, eis o que todos devemos fazer..."desejemos para além dos nossos meios presentes!!!!".

Não tento com esta ideia advogar a insatisfação e a tristeza como forma de vida, nem defender que devemos sucumbir a todos os desejos e tenatações, pois se os conseguirmos realizar, meus senhores, não estaremos a seguir o príncipio que estipulei, pois estaremos a desejar dentro dos meios presentes e que se encontram à nossa mão.

Entendo assim que desejar para além dos meios presentes é o príncipio de um outro conceito muito mal visto na nossa sociedade ...a ambição!!

Estranho que a ambição, apesar de mal vista, é um conceito que se expandiu e é respeitado, todos tendo um certo temor reverêncial pelos individuos que a demonstram...
Por quê?

Porque me parece que todos nós reconhecemos a virtude desse sentimento, que se baseia nada mais nada menos, que desejar para além dos meios presentes do individuo.

Deixemo-nos de falsas modéstias e de conceitos arraigados a uma moral ultrapassada onde o desejo é visto como algo feio e a evitar...o desejo é o início do pensamento...o desejo é o início da humanidade!!

O que nos faz cada vez mais desumanos é o facto de termos deixado de desejar para além dos nossos meios presentes e, desta forma, termos perdido a chama que faz de nós seres únicos na natureza.

Se o Homem não tivesse desejado para além dos seus meios presentes, não teria nunca desenvolvido a agricultura, a ciência, as artes...em suma a cultura.

Desejemos então, desenfreadamente! E depois...façamos por concretizar esses mesmos desejos!